quarta-feira, 18 de julho de 2018

Poucos Sagrados Segundos

Cada golpe seria mas difícil:
A dureza do asfalto em minhas articulações a cada esfaqueamento em seu corpo deitado,
A ponta do instrumento que se dobrava a cada impacto e perfurações cada vez menos elegantes,
A minha energia que se drenava a cada retorno do movimento frenético que lhe esvaía os fluidos,
O ímpeto que se embotava ao primeiro sinal de que não sentia mais medo - estava morta.