segunda-feira, 18 de junho de 2018

Aos moldes do fast food, há mais de três décadas nasceu o fast consumable, onde anything is consumable, inclusive a informação, e enquanto a academia e o mainstream considerarem que isto é um processo inteligível raso e defeituoso deixarão passar a oportunidade de integrar e criar processos de conhecimento provindos de cada vez mais fontes de alimentação.

Assustados com o conservadorismo de vozes antes caladas, os ditos liberais e progressistas acabaram por se tornar neo-vitorianos a tentar apagar do presente o que consideram passado, mas é apenas presente cru e afastado da arcaica intelligentsia dos séculos passados, a mesma intelligentsia que acredita pensar em novos rumos que nada mais são futuro do pretérito agora inundados pelo inesperado.