segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Morra

Sim, eu quero que venha,
Que arremesse o seu corpo furioso
Contra a própria lápide.

Sim, eu quero que morra;
Cativada pela projeção em si mesma,
Aquela que vosmecê figura dominatrix da plebe,
Deixe-se dominar pela sua criação e morra.