terça-feira, 21 de outubro de 2008

O Povo e o Bicheiro

Desde a estupidez de um sigma copiado à genialidade de vagabundos maquiados,
Tentamos inventar a agulha e a linha para a costura de uma bandeira qualquer,
Um grito que não seja a fraude para salvar uma família ilhada.
Desde que não somos franceses ou tamoios,
Inconfidentes ou farroupilhas,
Quilombolas ou tupinambás,
Alfaiates ou suassunas,
Juntamo-nos sem enredo,
Ou num enredo da Padre Miguel de Andrade.