segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Oyasumi Nasai

Meu Deus, como me prendo àquela anca farta,
Àquele andar de pernas curtas que não são mentira
- Ventre que se mostra sempre aos passos sinuosos
E mais italianos do que japoneses,
Menos infinitos do que qualquer desejo -.