sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Mulher

Ela nem quer saber da hora do Brasil,
Mas muito se importa pela própria translucidez indesejada.
São de saltos que se encaminha:
Minutos sem sentir para não sentir nojo,
Horas de conversa para enganar o frio da calçada,
Dias debruçada em seus porta-retratos,
Meses que vêm e vão até se tornarem anos que não sabe explicar.

Conta que não cabe mais no mundo,
É serva da rainha da noite e, por isso, seu corpo definha aos poucos.
Diz que não sabe ser mulher,
Não quer,
Mas é.