segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Meio Mundo entre Dois Pontos

No peito,
a gana de abraçar o impossível.
Nos olhos,
a degeneração que liberta.
No sudeste de uma iha do Pacífico,
quem nunca esqueci.

Conforme os meus sonhos desvairados,
A tua chama perde a força quando choro,
Mas já não choro só pela saudade,
Pois só de dor não posso
E só de fuga não traço.