quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Crack the Code

Não inalei o subterrâneo de Delfos,
Talvez tenha feito pior;
Perdi-me sincero na mendicância da carne,
Simplesmente por carne atordoada e esquecida.

Não quis servir aos deuses para salvar o homem,
Eu só fui homem que se mata aos poucos;
Senti as salivas do mundo nas ferramentas para a própria decadência
E expulsei a influência do cosmos em nódoas e sangue, muco e carvão.

Não li as tábuas sacrossantas de Yam Suph;
Desenhei o som de ossos quebrando para que surdos sentissem,
Entretanto, perdido em euforia,
Não cri que o surdo era eu.