quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Daidalus

Perdes-te encontrada, poetisa.
Percebes o infinito nos teus amparos d'água,
Nos teus furores quietos...
Quietude,
Volúpia que surge da luz de um pesadelo
- preto,
cego até que sussurres,
morto até que nasças -.