terça-feira, 12 de agosto de 2008

Balcão

Demasiado humano este - eu - que não se priva do teu láudano,
Distribuído em gotas sem censura para a letargia e para a morte.