quinta-feira, 26 de junho de 2008

A Terra Flutuante

Cala-me,
Não me deixe influenciar por tuas alegorias;
Toma-me,
Não te furtes do que importa para o teu instinto.

Canto versos sobre as mouras encantadas,
Preparados em isolamento.
Sou de Al-Andalus,
Mas meus pais não são daqui.

Surpreende-me,
Oferece-me a coroa ainda a repousar sobre a cabeça decapitada;
Ilumina-me,
Tira a minha vida com o teu beijo envenenado.