sábado, 15 de setembro de 2012

Verdandi

Como se eu ousasse esquecer a musa em teus olhos,
Superestimo a vida e os seus berçários exigentes
Para admitir-me covarde em nosso elogio à ignorância.