quinta-feira, 19 de julho de 2012

Cheia de Graça

Sou frígida que dói;
Romantizo o futuro
Por não ver futuro
Em gozar no escuro desta solidão
Em que inventei calor
Pra que pareça puro
O meu engodo nulo
Que deixa o mundo fulo sem qualquer razão.