domingo, 3 de junho de 2012

Don't tread on me

- Já basta! - exclamou. - Precisamos de outro cálice, um que mova as massas sem que notem, embutido em seu cotidiano numa facilidade antes inconcebível; esclarecedora e coerciva, a revelação. Chega de um rei farsante, abandonador da própria prole, estigmatizador do próprio povo que jaz ante a própria saliva gasta por defendê-lo... Chega da paz para o mantenimento da morte oclusa aos interiores de nós mesmos, permissiva aos brados de vitória da massa hipnotizada por um sonho coletivo de superioridade que só demonstra a nossa estupidez.