segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Ela


Ela não dorme nem chora,
Não se rende à hora que minto por sua bravura gentil.
Ela se afoga nadando
Na placidez resfriada de não existir um sentido elegante
Que rouba o seu ímpeto farto
De persistir vasculhando uma imensidão sem cor.