sábado, 10 de dezembro de 2011

Estômago

Se fosse a fúria deste marasmo de impulso de gente eu compreenderia,
Trairia o meu sono e doença pela tua sedução infeliz,
Mas desejo o aprumamento rústico,
A visão azeda e sem conforto,
Simplesmente por não ter o que perder.