segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Contrarregra

Se há o veto sobre o teu rosto
Feito a lembrança de um dia vil
Em que calhaste teu amor de sangue
Por não sentir mais a dor gentil
A imaginar-te num mar perfeito
Da mais sincera aniquilação
De tudo aquilo que te persegue
E te inunda feito ilusão,
Desperta-te.