sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Ciranda Quaternária em Si Diminuto

Ai, denguim,
Não faz assim comigo,
Não nega um abrigo nestes braços marrons.
Bem mineira,
Apaga essa asneira
Que insiste em me livrar dos teus afagos comuns
E faz a vida
Quase que despida
Do ranço dos viventes de nossas cercanias
Por teu olhar
Que não ousa julgar
A contorção dos corpos contra a melancolia.