segunda-feira, 10 de outubro de 2011

O Giro ao Cerne

Aquém dos calores ornados em flor
Há a fama das flores calhando a vida
Em bolsões mal feitos de perfeição
A girar
E girar
E girar
Olhando o seu cerne até a tontura fugaz.

Além desta mancha que é só mancha por perto
Há o drama dos lábios carentes há tempos
Embriagados pelos giros pregressos
A ficar
E mentir
De girar
Olhando um cerne que não acontece mais.