quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Insuportável Absurdo


Esta sede que nunca acaba
Pinta os olhos sempre a me parir
Abortado pelo tempo que abandonei,
Mas parece que há ratos no sótão
- Apesar deste único andar -
Cultivando estes fungos amargos
Que devemos nos acostumar.