sábado, 22 de outubro de 2011

Engenharia Reversa


Vai que vai tinindo,
Justificando o irremediável,
Amordaçando o intransponível,
Desenhando o imponderável.

Vai que vai esticando
Esta tela murcha
A crer fonte no reflexo distorcido
E negar a transformação do todo.