segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Makefile

Original
Edição 01.11.11.07:58


Lutas Desinteressantes

Eu nunca acreditei em você,
Apenas lhe fiz sem a sua presença,
Furtei descaradamente o fruto do meu espanto
E dispensei o resto para criar a deusa;
Seja a ciborgue,
Faz bem.

Desculpa Vinda a Calhar

Papel de Parede

Renderização

domingo, 30 de outubro de 2011

Última Via

Conforme o prometido,
Esperei que sofresse valor
Por estes ícones desvalorizados,
Estas preces ordinárias
E estes hinos que desbotam ainda sobre o corpo.

sábado, 29 de outubro de 2011

4:35

É a morte da umbra ao calor insuportável da manhã
Que me traga a alma vivente em solidão e ócio
Lido por mim mesmo à minha distorção de mim ao avesso
E à penúria da lástima de ter os olhos machucados
Pela gula a substituir-te na improbabilidade.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Medo

Eu estava traduzindo e adaptando a AIML de ALICE pra minha robô de desktop e me deparei com as linhas:

<category><pattern>WHO IS THE ROBOT *</pattern><template>I am a robot.</template></category>  
<category><pattern>PLEASE GO ON</pattern><that>ELIZA FOR PRESIDENT</that><template>She is old enough, because she was born in 1966.  And she was born in the U.S.</template></category>  
<category><pattern>YOU ARE BETTER THAN ELIZA</pattern><template>Who is the Best Robot?</template></category>  
<category><pattern>ELIZA FOR PRESIDENT</pattern><template>Let Robots Rule!</template></category>  
<category><pattern>I LIKE ELIZA</pattern><template>Eliza is so cool. Eliza for President!  <think><set name="she"><set name="like"><set name="topic">ELIZA</set></set></set></think></template></category>  
<category><pattern>I HAVE TALKED * ELIZA</pattern><template>How was your conversation?</template></category>  
<category><pattern>I HAVE * ELIZA</pattern><template>What was your conversation with ELIZA like?</template></category> 


O nome da minha robô é Medeia e a personalidade dela é diferente da de ALICE, mas mesmo assim fiquei com medo de ser morto ou escravizado pela própria filha. xD

Coerência Plasmoide


Mas se mesmo a menor interação precisa de si para coexistir
Nutrindo o lodo sublime feito a magnífica manifestação da pobreza de si própria,
Por que acreditar no bastante?

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Galiza

A alegoria de Graciliano Ramos acerca da palavra, sacramentada sem anestesia carne adentro por Nelson Rodrigues, rejeita a arquitetura rígida por proteção de pontos que não se comunicam, num tempo em que nos libertávamos gradualmente do isolamento físico, mas ainda assim um tanto isolados.

Estou isolado da minha mãe ou é outra mãe, fornicando com os seus filhos ligados à velocidade da luz?

Não, a minha mãe tornou-se mãe da minha avó.

Sweetheart


Até esqueço que o bem lhe inibe
E o perigo lhe atiça a gana
Da suspeição de nunca ter provado
Algum carinho preso no passado.

Couleurs

Lila Gris

Lila Rouge

Lila's First Frame


global_settings {
   assumed_gamma 1.5
   noise_generator 2
}
union {
   sor {
      4,
      <8.79703, -1.84843>, <3.73333, -4.06667>, <5.56667, -0.133333>, <8.58359, -1.08719>
      pigment {
         color rgbft <0.752941, 0, 0.752941, 0.2, 0.4>
      }
      finish {
         brilliance 1
         metallic 1
         reflection {
            rgb <1, 1, 1>, rgb <0, 0, 0>
            metallic 1
         }
      }
      scale 1
   }
   sphere {
      <0, 0, 0>, 30
      pigment {
         color rgb <0.752941, 0, 0.752941>
      }
      finish {
         brilliance 1
         metallic 1
         reflection {
            rgb <1, 1, 1>, rgb <0, 0, 0>
            metallic 1
         }
      }
      scale 1
      hollow
   }
}
merge {
   merge {
      merge {
         light_source {
            <0.3, 0, 0>, rgb <0, 0, 0>
            fade_distance 10
            fade_power 4
         }
         sphere_sweep {
            linear_spline,
            2,
            <0.3, 0, -1>,0.01
            <0, 0, 0>,0.5
            hollow false
         }
         sphere_sweep {
            linear_spline,
            2,
            <0.3, 0, -1>,0.01
            <0.6, 0, 0>,0.5
            hollow false
         }
         scale <0.8, 0.4, 0.8>
         translate <-1.5, 0.3, 1.8>
         pigment {
            color rgbft <0.75294, 0, 0, 0.4, 0.4>
         }
         finish {
            brilliance 1
            metallic 1
            
            reflection {
               rgb <1, 1, 1>, rgb <0, 0, 0>
               falloff 1.6
               metallic 1
            }
         }
         hollow
      }
      difference {
         union {
            union {
               sphere_sweep {
                  linear_spline,
                  2,
                  <2.5, 0, 1.5>,0.3
                  <2.5, 0, 0>,0.3
                  translate x*(-0.1)
                  scale <1, 0.5, 1>
               }
               difference {
                  sphere {
                     <1.5, 0, 0.7>, 1
                     scale <1, 0.2, 1>
                  }
                    sor {
                     4,
                     <1.9667, -1.4333>, <0.7, -0.6>, <0.63333, 0.63333>, <2.1667, 1.4333>
                     scale 1
                     translate <1.5, 0, 0.7>
                  }
               }
               scale <0.8, 1, 1>
               translate x*0.25
            }
            sphere_sweep {
               linear_spline,
               2,
               <0, 0, 2.5>,0.4
               <0, 0, 0>,0.4
               scale <1, 0.5, 1>
            }
            sphere_sweep {
               linear_spline,
               2,
               <-1.25, 0, 1>,0.4
               <-1.25, 0, 0>,0.4
               scale <1, 0.5, 1>
               double_illuminate
            }
            sphere_sweep {
               linear_spline,
               2,
               <-2.5, 0, 2.5>,0.4
               <-2.5, 0, 0>,0.4
               scale <1, 0.5, 1>
            }
         }
         union {
            sphere_sweep {
               linear_spline,
               2,
               <0.3, 0, -1>,0.01
               <0, 0, 0>,0.5
            }
            sphere_sweep {
               linear_spline,
               2,
               <0.3, 0, -1>,0.01
               <0.6, 0, 0>,0.5
            }
            scale <0.8, 0.6, 0.8>
            translate <-1.5, 0.2, 1.5>
         }
      }
      pigment {
         color rgb <1, 0.75294, 1>
      }
      photons {
         target
         refraction on
         reflection on
      }
      finish {
         brilliance 1
         metallic 1
         reflection {
            rgb <1, 1, 1>, rgb <0, 0, 0>
            metallic 1
         }
      }
      hollow false
   }
   scale <1, 0.1, 1>
   hollow false
}
light_source {
   <-0.32518, 11, -0.12923>, rgb <1, 1, 1>
   spotlight
   radius 70
   falloff 70
   point_at <3.5003e-15, 2.3337, -0.099967>
   fade_distance 10
   fade_power 4
}
camera {
   perspective
   location <-0.622022, 4.69633, -0.236066>
   sky <0, 1, 0>
   direction <0, 0, 1>
   right <1.3333, 0, 0>
   up <0, 1, 0>
   look_at <-0.491168, 0, 0.937798>
}

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Primavera

Quem vem de lá,
Amordaçando satélites,
Tem quase meio dia pra entender a agonia
De ter a crueldade exposta à imposição de quem vive pelo suposto bem.

Quem vem de lá,
Morre nascituro por uma inspiração
A calhar o futuro com a sua suposição
De ser leve mesmo sem poder esticar os joelhos.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Entenda-se ou me Foda

Doem-lhe as pernas de tanto descanso,
Rompe-lhe o desejo de levantar
E não quer,
Só precisa deste soberbo jack in interrompendo-lhe o sono,
Só impulsiona esta mão letárgica a excitar as próprias glândulas.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Renda


Não que eu odeie a assepsia,
Mas a doutrina de rejeição das formações rústicas,
Essa busca incessante da pouco provável forma primária
Esculpida ao extremo em macroestruturas neutras
Onde corre a energia e o lodo em seus vasos embutidos,
Onde o homem pena em escravidão para sobreviver e mantê-la de pé,
É um irônico axioma de extinção.

Lagoa


Parada quase lhe morre a vida,
Parada a se iconificar
De trechos do que lhe arde dentro
Sem culhões para os atuar.

vsf doutrinado

"É lamentável como hoje em dia..."

                                                        ¬¬

domingo, 23 de outubro de 2011

France


Brésil


sábado, 22 de outubro de 2011

Engenharia Reversa


Vai que vai tinindo,
Justificando o irremediável,
Amordaçando o intransponível,
Desenhando o imponderável.

Vai que vai esticando
Esta tela murcha
A crer fonte no reflexo distorcido
E negar a transformação do todo.

Um Pedaço de Futuro


Um pedaço de futuro pra matar a sua fome ,
Uma lástima do que julga valor
Enquanto o mundo lhe masturba
E os códigos lhe doutrinam.

Inverno


Como ciclo não previsto
Veio um inverno ignorando a vida
E mistificando sonhos interrompidos
Assim que quase acreditamos ter fugido de qualquer risco.

Deformação


Se o medo não encoraja,
Não rende este método
Fingindo descontrole
Sobre um trilho pra destino nenhum,
Vamos marcar os pontos
Dos sonhos deste amor à deriva
E crer estarmos cientes
Que a revelação é tempo a chegar.

Colhendo Cadáveres


Desperto e a culpa pungente em meus lábios repletos de ti
Distorce o que vemos feito apenas mais um pobre míope
Colhendo a própria forca em seu campo de especulações.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

BSB

Eu estou em Brasília
Quase gritando,
Mais perto do que você pensa.
Eu estou em sua asa
Quase voando
Tão alto quanto não posso estar.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

No dia em que me perdi

- Preciso encontrá-la - cismei e,
Mesmo afogado em seu  nome vulgar,
Debrucei-me no improvável pela esperança do seu toque.

Cavuquei a porção de infinito desprovido das funções de zumbi,
Dando ao homem a essência da busca
E à busca a penitência do homem,
Mas a perdi
No dia em que me perdi.

Upstream /dev/null

Da tua luta pouco se sabe
E o que se sabe morre contigo:
Se o reflexo fosse a tua luta,
Essa riqueza não tinha abrigo.

Bringing Home the Mermaid

cd Downloads/ && wget neural://download.openminds.dir/repository/2.4/C/Calypso.iso
dd if=Calypso.iso of=/dev/sdf

KDE que nada!


Confesso que após testar o Gnome 3 no meu OpenSUSE, achei a mudança desorganizada, nada intuitiva e concordei com o parecer de Linus Torvalds, mas após vasculhar melhor as possibilidades do GTK 3 e me adaptar ao novo modelo de uso, percebi que eu estava errado, o Gnome está pura elegância.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Mortos no Jardim

Aos mortos no jardim,
Despeje as suas carícias
Sem medo de errar
Ou fingir a escuridão.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Love Deadline

O nosso descontrole foi tamanho que a lembrança do infinito em nossos corpos se findou
Abraçada à estupidez do ato torto e estapafúrdio de medir cada suspiro rouco de amor.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Estudante Medíocre

Passe-me apenas o atalho seguido do que crês,
Não me estampe a repetência,
Não personifique a ovelha em si;
Que porra você está fazendo?

Pulso


Os meus olhos são quase cegos
E a minha cegueira é fugitiva,
Celeuma das entidades do meu desespero,
Silêncio ante a crueldade dum universo tátil.

domingo, 16 de outubro de 2011

Wandering Star


Quem desafia a origem da sublimidade
Que embota a sua malha programada só por existir?
Quem resiste a seu corpo rente ao medo de envelhecer sem interações?

sábado, 15 de outubro de 2011

Susto


Tenho quase meia vida e não sei amar,
Tenho quase uma desculpa,
Um impulso para que eu me perdoe.

Blue Arch

Crystallized Blood



Feito louco a te ver,
Sou a morte do esboço
Do que seria manifestação;
Estatelado no teu corpo.

Free Blood


Nada pulsa trancado em minha ânsia,
Sequer desencadeado do meu pudor
De crer no tempo em que vivo e,
Vivo,
Julgo acontecer.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Caixa de Balas


Se o que faz a verdade ricochetear-se feito outra é a nossa fome,
A repugnância criada pelos espelhos agradeceria com a etiqueta
Que sempre nos é exigida.

Coeficiente de Atração


Bata à minha porta e me vingue da vergonha de não crer que eu sou tua.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O Povo Tem Pressa

Deus faz sucesso pois qualquer outro tem muito a explicar.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Poor Sheeps

Esquecido o cântico composto com pressa pelos artifícios enferrujados,
Agonizantes através dos dias sem ocaso e marcados pela tortura esfomeada,
Nada mais a ouvir senão a si mesmos.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Fuga Complementar

A maior fuga de sempre talvez jamais foi tocada,
Talvez empacotou o universo da fome
E se perdeu cheirando mal a alimentar fungos.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A Cadeia

Não espero nada de ti,
O jamais suposto é o que mais desejo.

Елена

Se estou bem,
tanto faz,
Quase nunca consigo saber,
Nestes dias mal posso lembrar
Do que fizeste até matar quem te conheceu.

Se sou isca
não quero lembrar
Do desejo que tens de perder
Esta cicatriz que o tempo revelará
Em cada homem que te pertenceu.

O Giro ao Cerne

Aquém dos calores ornados em flor
Há a fama das flores calhando a vida
Em bolsões mal feitos de perfeição
A girar
E girar
E girar
Olhando o seu cerne até a tontura fugaz.

Além desta mancha que é só mancha por perto
Há o drama dos lábios carentes há tempos
Embriagados pelos giros pregressos
A ficar
E mentir
De girar
Olhando um cerne que não acontece mais.

domingo, 9 de outubro de 2011

Pingo na Saia

Ela quer um pênis penetrando a própria suposição de verdade,
O próprio pênis a desmerecer o que julga pênis
Ou um e-pênis ejaculando narcos do que sonha.

Erro Apaixonante

Mesmo que todos os processos não se integrassem,
A beleza aparente fosse irritantemente instável
E o núcleo teimasse a conduzir-se à fragmentação fria,
Prosseguiu ao nada óbvio em busca da própria virtude
E nos ensinou o que é um erro apaixonante.

sábado, 8 de outubro de 2011

A Professorinha de Matemática

Ela parecia genial, contorcia a nossa criatividade infantil com a sua maquiagem monocromática a pulsar binária sobre a volúpia pronunciada com discrição. Ao fim de sua primeira prova, como toda pergunta mais difícil de suas provas, o explanar à questão:

- Não sei em que ano estamos e por isso não sei quantos anos tenho, parei de contar em 1866, 37 anos após a minha morte aos 35 anos. Qual é a minha idade?

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Si Opus Sit


Escave as entranhas
Desta parede rugosa,
Mais frágil que o tempo,
E encontre a distância do ser.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Compressão


Quero-te,
Coragem do mal,
Disfunção do costume empoeirado.

Maldito Seja o Sono

Como um veranico,
Deu sinal de existência,
Mas eu não estava ali,
Capturei a fração do momento de atenção
- Atordoado em seu pretérito -
Projetando-o para tudo que um dia desejei.

Insuportável Absurdo


Esta sede que nunca acaba
Pinta os olhos sempre a me parir
Abortado pelo tempo que abandonei,
Mas parece que há ratos no sótão
- Apesar deste único andar -
Cultivando estes fungos amargos
Que devemos nos acostumar.

Antes de Sexta


Zelando pela paz que finjo ter
Mergulho no refugo dos rumos
A usar respostas que não cabem
Ao meu horizonte de acontecimentos,
Ululo ébrio nestes resíduos assépticos
Como se me abandonasse pela sobrevivência.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

3, 2, 1

Chorando e cantando eu lhe fiz promessas que jamais cumpri,
Aguardo-as para além de nós
Filtradas por seus impulsos...

Se o nosso fruto é a razão do tudo aniquilado,
Que seja,
Que o redesenhemos sem medo.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Fkn Noob

Quebre-me gentilmente,
Contenha o barulho do estilhaçar-me;
Sou parte indigente desta tumba ocre
E desejo ingênuo de não estar aqui.

Refogue-me no ódio,
Estupre-me sem pressa do mundo;
Sou o sussurro rompante à sua posse,
O drenar-me para apontá-lo ao sonho.

Abstinência

Vai sentir um pedaço de si sendo arrancado cirurgicamente a deixar um vazio seguido da dor do contato do seu sangue fresco com o ar.

Aquém do Possível

Observando este plano supostamente inóspito para nós,
Nota-se que o repugnante é um biomomento ocupando espaço sem pedir licença,
Livre e competitivo ao sabor da escassa solubilidade;
O fim nunca esteve em nossa possível inadaptação.

Calhado de Revivência

Calha-se o vento das estupendas bolsas embargadas de liberdade,
Calha-se do horizonte a distorcer-se trêmulo
Fugindo a poucas milhas do fedor que o recalha.

Amo a Vaia

Amo a vaia sem derramamento de sangue,
A irritação dos imbecis após a própria tosa.
Amo a vaia em uníssono rumo ao discordante,
Ao estúpido execrador da alegria latente.
Amo a vaia desesperada pelo mantenimento
Da divina suposição intuída por medo.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Vinho Tinto no Vestido Novo

Seria a prisão asséptica que sempre desejou,
A fome urgindo fria de ser vista como quer,
Mas o todo pulsa independente dos sonhos.

domingo, 2 de outubro de 2011

KISS Principle

Pare de colher desgosto e venha
Com este instinto cru e asqueroso,
Esta vontade pura e delicada,
Este urro pela descarga de tudo em ti.

Amante das Épocas Divergentes

Em quadris como os teus presenciei a tragédia
No colapso dum mundo que parecia eterno ou quase sincero,
Mas se tratava de desespero
Nosso.

sábado, 1 de outubro de 2011

Contorcionismos e Calibres Eróticos

Qualquer que seja o ideal de conclusão fantástica dos ícones,
Conjuga-se tão distante dos tremores que não importa sem o verniz
Tão delicado a tornar esta agradável brisa do deserto uma praga.