quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Da Banalidade

Assim que respirei o universo
Deitei-me com o teu alento pela saudade
Do cansaço ao ato frugal no cotidiano,
Mas não resolveu.