sábado, 27 de agosto de 2011

Doce

Estou mais doce do que o comum,
Flerto com a morte
Desprovido de sentidos
Que julguem a dor
Pronta para corromper
O que acredito fazer parte.

Estou tão doce que não vejo
Com clareza esta escuridão.