quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Brasileiro II

Mudamos tanto a ponto de ser um dialeto ou um punhado deles,
Todos nutridos de tudo que em nada são a nossa matriz isolada,
Separada por um oceano e pela própria decadência.