sábado, 16 de julho de 2011

Gente Feliz

És papel nas mãos de gente feliz,
Não tens graça;
Restas-te ao gentil comum
Da perpetuação deitada à invenção
De vencer o decreto divino da extinção,
Servindo a este todo arrogante de bichos.