sexta-feira, 15 de julho de 2011

Fru-Fru

Quem quer saber de sentimentalismo e trepadas quando a soberania de si e do seu capital de trabalho não existe mediante acordos tramados sob a aparência escrota duma festa universal para masturbar bobos? Talvez só queiramos ser tais bobos, assumirmo-nos no imbecil coletivo com os bolsos e bocarras cansadas abertos, mas que essa merda toda dói na alma, dói.