quinta-feira, 14 de julho de 2011

Curimatã

Qual a graça desta bruma que resta do teu ato
Se me arrasto a esmo para viver o teu orgasmo?
Aninhada a luz neste lapso de culpa,
Espero-te por esperar,
Zumbificado e ébrio dos venenos desta terra.