quinta-feira, 23 de junho de 2011

Rumba Louca

Do jeito que andas,
Parecendo sincera,
Disfarças sem graça as tramas bem feitas pra tua quimera
Em ser cosmonauta
Vinda dum infinito
De poucas apostas dum dia sem graça e dum mito bonito
Que teima em estar vivo
E calar-se à gana
Da fome imposta ao sonho do puro chafurdando à lama.