quarta-feira, 22 de junho de 2011

O Rio

Pari uma mulher impossível,
Esta que me adoenta,
Atormenta o meu passo inseguro
A disfarçar a sua aparência de morte
Num sussurro morno de manhã.