quarta-feira, 22 de junho de 2011

Farsa

Tentei suportar o teu abraço fantasmagórico,
Mas era tão frio que doía,
Tão denso que fragmentou o meu espírito.

Agora,
Peito à foz de ti,
Penso que sou e vivo.