sábado, 4 de junho de 2011

Muito Obrigado

Às vezes parece que és o medo talhado com sono em minha voz, enrouquecendo a malícia de ser em breves estalos lancinantes, mas obrigado pela delicadeza, agradeço pelo beijo envenenado de tua lamúria, pelo olhar de lágrimas pesadas e corrosivas, pelo calor que destruiu a minha vida.