sábado, 11 de junho de 2011

Aquela Mulher

A minha rua se separa de ti,
Não entende a tua busca pela ordem que chamas liberdade,
Não se prende aos detalhes sublimes da mentira;
Anda vazia,
Alegra-se quando encontra um mendigo ou viciado
A trazer calor doente como se fosse o que pregas
Convicta do teu castelo de areia.