domingo, 29 de maio de 2011

A Marca

Eu,
Quem jantou com o assassino
E hoje o esmigalha junto ao fato
De sermos o tempo perdido em motivos,
Devoro a luz de tudo sem saber,
A crer ser própria luz,
A amar o impossível.