sexta-feira, 13 de maio de 2011

Jardim Encantado

Se eu esperar que ouse por um segundo fortuno,
Num deleitar-se de si em abandono,
Tardaria demais para mim
Que chovo de tempos em tempos sem paz,
Relampejo quando posso
E esteio quando tenho sono.