sábado, 2 de abril de 2011

Volver

Por que sempre acha que nunca voltarei?
Por que crê em minha loucura
Ou numa sensatez burra
Que me redimiria do peso de seu sorriso delicado?