sábado, 9 de abril de 2011

O Aroma do Erro

Sei que é coisa demais pra você,
Cedo demais pra pensar,
Angústia dos outros em si
A esperar o que não pode dar.

Também sei que é o que não se prevê,
Névoa dispersa no ar
A bailar sem a regra que cri
Nestas sinas que quis inventar,
(...)
Mas seu colo sempre ludibria
A tentar contra a minha ironia
Inquietada por meu desespero,
(...)
Mas seu corpo que não me existe,
Visitando-me em cantiga triste,
Sempre deixa o aroma do erro.