domingo, 20 de março de 2011

L'Amour des Saints

Não é mais nada disso e sequer foi,
É só recordação da fantasia
De trapos do que está e se tornou,
De mortos que cumpriu no que criou,

Não é mais essa face condenada
Que jamais existiu ou sorriu
Aos passos do que quis e será,
Mas nunca provocantes por amar.