quinta-feira, 17 de março de 2011

Há quem diga que Ana desfaz o futuro das coisas

Os trocadilhos fajutos de Ana não fariam sentido
Se não fosse essa marca aparente em seu pulmão
Afogado de sangue da praga e da urbe cinzenta
Que matando o rompante de si pinta a tentação.