quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Silêncio

Um infinito sem teu azul,
Tátil em meus mamilos e gritos sinceros,
Sacrossanto aos nossos murmúrios,
Entalha feito a morte acostumada.