quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Toró

Os anjos de asas aquosas matam feito nunca
E dos olhos de águia do mundo somos procissão
Afogada em ordem exigida por centelhas fugazes
E sonhos doentes de medo por poucas ambições.