domingo, 23 de janeiro de 2011

Prado

Ao acaso,
Evitando outro erro,
Estava feito
O que sempre adoece
E contamina a alma,
Extermina o sonho
A outro de instinto,
Abomina-se.