segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

À Deriva

Sempre procura alguém para paixões irresistíveis,
Algum copo vazio ou alma vadia calhados de âncora,
Algum sonho secreto ou cotidiano discreto publicados ao sol,
Mas se engana,
Erra feito a humana que despreza em si,
E segue em seu moto-contínuo num prazo de vida.