quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Sem o Tempo

Não deu certo o reparo,
O organismo pifou,
O relógio reapareceu.
Vou gastar o que tenho,
Acender um cigarro,
Deixar a metade fugir,
Esquecer essa febre
E esse sangue enjoado
Que escorre feliz do nariz...

E quem sabe eu esqueça que um dia não pensei
Que parto com o tempo e sem o tempo não sou Deus.