segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Ogro de Porcelana

Acontece quem o meu pau endurece só de ouvir o teu nome no que penso
E,
À tua distância infundada à razão e pouco provável à pele,
Faço-te aqui num ritual de acasalamento com o ralo.