terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Bem Vulgar

Para de ser confusão, cadela,
Não tem talento pra ser anjo.
Para de entupir de pó a cara,
Seu papo é mole e eu já manjo.

Larga essa proteção capenga
De quilômetros de cobre
E mostra logo essa coisa pouca
Encarnando a alma pobre.