quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Retrotranscrição

Minado o organismo, o doador de metade da aparência que assumiu o seu hóspede, não resta nada senão investir num meio de eliminar a peste antes que o mate quando, em sua hierarquia de necessidades, todo valor divino e maravilhoso é abnegado em prol da própria sobrevivência. A destruição da retrotranscrição em si é inútil, mas as entidades fundidas em aparelho retrotranscritor, confundidas em meio as células com o seu comportamento e origem similares, são a gênese da patologia mesmo que esta tenha se originado da transmissão aleatória de enzimas, concretizada por necessidades individuais de células no organismo - independentemente do todo. A possível regressão do processo funcionaria, portanto, em alegoria, como uma amputação do órgão deficiente seguida de sua esterilização do meio.