sábado, 20 de novembro de 2010

O Tempo

Como poderiam resolver a forma,
Fazê-la funcionar às intenções,
Se,
Mutilada pelo tempo presente das alegrias,
Cumpre-se feito marco de um passado transformador?

Seria este tempo presente estéril,
Fadado à mera replicação
Ou à mediocrização da glória em pigmento?

Seria este tempo o avesso,
Demonstrando-se o senhor do caimento
E das costuras desinteressantes à estética
Assim que farto da obscuridade?

Seria isto um tempo?