sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Meu Amor

Meu amor não é escandaloso,
É vapor de suor
E seus sais incomodando a pele;
É desejo que não descobri,
Toque que jamais senti.

Não é a outrem ou a mim,
Mas a manifestação de nada a colidir-se,
A inquietação para o todo em fragmentos,
O tormento de não valer a pena.