quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Doze

Não havia desespero nos desejos amputados a frio
Pois a febre dias antes aliviara os anseios com cansaço...
Era macho,
Nascera morto e deformado;
Um humanoide estranho,
Uma praga divina à ignorância.